Uma parte do mundo académico, particularmente o mais ligado às “humanidades”, cobriu-se do mais intenso ridículo, mesmo aquele habituado a dizer que a Autoeuropa não tem valor porque monta tudo.