www.dinheirovivo.ptdinheirovivo.pt - 14 mar 16:40

Cascais ensina em Cannes o que é ser smart city

Cascais ensina em Cannes o que é ser smart city

Cascais foi a Cannes para mostrar ao mundo do urbanismo e do imobiliário como é possível melhorar o dia-a-dia

Quantas vezes nos deparamos com um semáforo apagado, um sinal de trânsito mal colocado ou, simplesmente, um buraco na estrada? Quantas vezes denunciamos os problemas?

A inação de muitos desculpa-se com a dificuldade em reportar (e a quem) ou, simplesmente, a sensação de que não vale a pena. Em Cascais, criou-se uma aplicação que Fix [corrige] os males da cidade. Chama-se FIXCascais e serve para reportar situações anómalas nos espaços públicos. É uma das várias iniciativas que a autarquia pôs em prática e que transformaram Cascais numa Smart City.

Os bons resultados já levaram Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara, a ser convidado para participar na CES, a maior feira de tecnologia do mundo, em Los Angeles. Agora, o responsável foi ensinar Cannes a ser ‘inteligente’.

À MIPIM, a maior feira internacional de imobiliário, Cascais levou projetos sustentáveis e estratégias que estão a ajudar a cidade a crescer. É o caso da FIX, mas também do centro de atendimento único (telefone, email, chat e presencial), ou do MobiCascais, um projeto focado na mobilidade local que permite, entre outros, requisitar uma bicicleta através de uma aplicação móvel, recolhê-la num ponto e entregá-la noutro. O Orçamento Participativo de Cascais, o mais votado de toda a UE, também foi apresentado pelo autarca em Cannes.

Desta feira internacional, o município quer trazer mais investimento e um reforço da imagem enquanto destino para teste de ideias e instalação de empresas inovadoras. “Fomos convidados a apresentar os nossos diferentes casos num painel com outros autarcas”, conta ao Dinheiro Vivo, Miguel Pinto Luz, detalhando que entre as várias cidades presentes e de onde podem surgir novas parcerias para a cidade portuguesa, “todas colocam o cidadão no centro da estratégia. É o cidadão que lidera a transformação, não andamos a fazer apps pela tecnologia, é porque queremos melhorar a vida dos cidadãos”, destacou.

1
1