www.publico.ptmanuel.carvalho@publico.pt - 14 mar 06:25

Opinião. CTT, a miséria no capitalismo português

Opinião. CTT, a miséria no capitalismo português

Como podem reagir trabalhadores de uma empresa que se dispõe a mandá-los borda fora ao mesmo tempo que distribui reservas financeiras pelos accionistas?

Há em Portugal um ódio bafiento às empresas de sucesso e um desdém invejoso sobre os ricos que as possuem ou gerem. Mas também há na breve galáxia do alto empresariado português quem se empenhe com classe e competência a regar com gasolina a fogueira desse ódio e desse desdém. Faz sentido que uma empresa de classe mundial como a EDP pague apenas 0,7% de IRC sobre o magnífico ganho de 1,5 mil milhões de euros no ano passado? Faz sentido que a Meo pague de juros à PT, por sua vez controlada pela Altice, mais de 630 milhões de euros de juros em 2015 e 2016? Não faz sentido nenhum. Mas, aguardem, que estas maravilhosas teias de pareceres jurídicos sobre isenções fiscais ou aquelas brilhantes teses de gestão que sugam os recursos da operadora de televisão não passam de brincadeiras de principiantes quando comparadas com o que se passa nos CTT. Aqui, por uma vez, há que ser realista e concordar com os mimos que a cada passo o Bloco ou o PCP dedicam a um certo e estouvado capitalismo português.

Não é preciso ter um MBA em management nem estágios nas grandes consultoras para se perceber que quando uma empresa em luta por um futuro melhor vai dois anos consecutivos buscar dinheiro às suas reservas para pagar dividendos aos seus accionistas está mais empenhada no saque do que na sua sustentabilidade. Depois da privatização total dos CTT, a administração de Francisco Lacerda andou os primeiros anos a distribuir praticamente todos os lucros que a empresa gerava pelos seus accionistas. Tudo bem. Em 2016 pensaram que tinham de ir mais longe e os 62 milhões de euros de lucros não foram suficientes — distribuíram-se 72 milhões de euros. No ano passado, o negócio piorou, mas nem esse sinal que levaria qualquer gestor prudente e responsável a travar a fundo foi suficiente para acalmar as mãos largas da equipa de gestão. Se os lucros caíram 56%, para 27 milhões de euros, a milagrosa ética do capitalismo português caiu na mesma proporção. E os accionistas acabaram por receber 209% deste valor.

Qual é o problema, pergunta-se? Francisco Lacerda, num tom algures entre o condescendente e o ufano, tratou de nos sossegar, dizendo que a empresa tem reservas para encher os bolsos dos seus accionistas. E, num lampejo de lucidez, ou de vergonha, tornou claro que, no próximo ano, acabará o bodo aos pobres. Os desgraçados dos accionistas vão finalmente receber uma parte dos lucros que a empresa gerar. Como acontece em todas as empresas onde haja um mínimo de respeito pelos trabalhadores, pela comunidade, e pelo futuro.

Nem isso bastará, no entanto, para apagar a mácula da sua gestão. O passado recente dos CTT é um eficaz engulho para os que acreditam na livre iniciativa das empresas, ou, numa linguagem mais directa, no espírito responsável do capitalismo. Depois de termos assistido à forma como Ricardo Espírito Santo sangrou a PT em favor dos seus interesses pessoais, vemos agora que o seu esplendoroso exemplo não foi capaz de criar uma cortina de vergonha aos falcões que olham para as empresas como o lugar onde se espreme o balanço em favor das suas gulas — ou das gulas dos que os nomeiam.

Há muitos casos de empresas respeitáveis que vão às reservas num ou outro ano para reforçar os dividendos. Distribuir dinheiro para lá dos resultados do ano pode fazer sentido numa conjuntura favorável, ou face à expectativa de bons resultados nos anos seguintes. É isso que se passa na Nos, mas não é isso que se passa nos Correios. Os CTT estão aflitos, como a quebra do volume de negócios comprova. O tráfego postal está em queda e a companhia ainda depende das cartas e dos selos em 80% da sua actividade, quando esse peso nas congéneres do Norte da Europa se reduziu para 50%. A licença bancária que generosamente o Governo de Passos Coelho lhe deu com o simbolismo de quem dá rebuçados a crianças deixa em aberto uma fonte de receitas alternativas que podem equilibrar o negócio tradicional. Mas a dureza dos dias para a companhia é tão óbvia que em Dezembro a administração apresentou um programa de reestruturação que implica o encerramento de duas dezenas de balcões e a saída de mais de 800 trabalhadores até 2020.

Só pode devotar-se de alma e coração aos protestos de Jerónimo de Sousa ou de Mariana Mortágua. Só pode acreditar que este país continua a ter o pior índice de distribuição de riqueza da Europa porque não é capaz de criar um clima de responsabilidade social nas elites empresariais. Uma companhia com um futuro difícil que usa as suas reservas, não para atacar os seus problemas estruturais, mas como uma cash-cow para os seus accionistas torna as anedotas dos Ferraris do Vale do Ave nos anos 80 em episódios apenas pitorescos. Aos trabalhadores, resta ajustar as palmas das mãos, olhar para o céu e travar o riso ou um esgar de raiva quando ouvem dizer o principal accionista dos CTT, Manuel Champalimaud, dizer que está “consciente que este sacrifício será limitado e deve-se apenas à sustentabilidade da empresa”, ou quando afirma ter o “maior carinho e respeito pelos colaboradores”.

Se o Governo não tem nada que se meter na gestão da empresa (pelo menos até ao momento em que se reapreciar o contrato de concessão), isso não impede que se manifeste indignação por este capitalismo de pacotilha. Não bastam os danos para a criação de um verdadeiro espírito de livre iniciativa num país que olha os ricos como uma casta privilegiada; não bastam os problemas que esta gestão sanguessuga coloca aos trabalhadores: o que está também em causa é uma profunda degradação da qualidade do serviço postal que o próprio regulador, a Anacom, tem vindo a denunciar com cada vez mais contundência. Os atrasos no correio estão a agravar-se, as condições de atendimento são um absurdo, os protestos dos utentes crescem, há populações que perdem o dito “serviço universal”. Só algo corre bem nos CTT: a remuneração dos accionistas.

Os CTT são um problema nosso. Quem acreditar que o capitalismo tolera todo o tipo de livre arbítrio, incluindo o uso de reservas de uma empresa em crescentes dificuldades para benefício exclusivo dos seus accionistas, está apenas a criar condições para a afirmação dos discursos extremados dos que vêem no Estado a fonte de toda a bondade e na iniciativa privada a fonte de todos os males. A verdade é que mesmo os mais apaniguados defensores das sociedades livres e amigas dos negócios privados têm de reconhecer que Francisco Lacerda fica bem em busto ao lado de Marx. Mesmo que lhe falte idêntica densidade de pensamento, sobra-lhe com certeza o talento para mostrar que, quando a luxúria dos dividendos se torna um deboche, o capitalismo está mesmo a um pequeno passo de morrer “vítima das suas próprias contradições”, como o filósofo das barbas em tempos avisou.  

1
1