www.publico.ptpublico.pt - 14 mar 16:27

Crítica. Aquele querido “Paterson” de bairro

Crítica. Aquele querido “Paterson” de bairro

O novo filme de Manuel Mozos é a sua melhor ficção desde Xavier, nem Jarmusch nem Gomes mas completamente Mozos.

Ramiro é alfarrabista, poeta raro nas horas vagas, podia ser uma versão lisboeta e bairrista do poeta condutor de autocarro de Adam Driver no Paterson de Jim Jarmusch. Por aí, pela truculência iconoclasta da personagem a que António Mortágua dá uma presença física fortíssima na fronteira da discrição e pelos pequenos incidentes zen que povoam a sua vida, podemos fazer a ponte entre Jarmusch e outro cineasta atento aos momentos, Miguel Gomes, cujos colaboradores regulares Telmo Churro e Mariana Ricardo escreveram Ramiro a pensar em Manuel Mozos.

Ramiro

Realização:Manuel Mozos
Actor(es):António Mortágua,Madalena Almeida,Fernanda Neves,Vítor Correia

Isto anda tudo ligado, pronto, é verdade, mas se dissermos que Ramiro é para nós a melhor das ficções de Mozos desde o já longínquo Xavier estaremos também a apontar como a história de um homem que quer levar uma vidinha sossegada reflecte, mesmo por interposta pessoa, a sensibilidade discreta e frágil de um cineasta a quem raras vezes as coisas terão corrido como ele merecia. Ramiro é um filme que aparece com pézinhos de lã como quem não quer a coisa e depois se instala no coração como quem ainda menos quer a coisa, e quando damos por nós estamos rendidos à sua simplicidade.

1
1