www.sabado.ptFlash - 14 mar 04:10

Apertem-no bem

Apertem-no bem

A morte prematura levou, primeiro, à evicção do dia do pai e, depois, à saudação dessa mãe-pai que resistiu.

Entretanto, vieram os substitutos: amigos, vizinhos, familiares, colegas e, sobretudo, padres do Seminário. Essenciais para aprender a fazer a barba ou o nó da gravata. Essenciais para compreender as exteriorizações da virilidade nos alvores da adolescência. Essenciais para muita coisa que um pai poderia dar, exceto colo.

Há pais para todos os gostos. Há pais e mães que não interessam. Isso do «pai é pai» e «mãe é mãe» é treta. Há pessoas más no mundo. Essas também procriam. Muitos têm boas razões para maldizer a sorte pela ascendência que tiveram.

Mas, se o vosso pai não estiver nessa franja da má sorte, se fizer parte da larga maioria que ama os filhos, de forma mais ou menos efusiva, mais ou menos dedicada, mais ou menos presente, tenham ou não crescido com ele, haja ou não outras mães para os vossos irmãos ou outras casas para o encontrar, apertem-no bem. E, se ele já cá não estiver ou fizer parte da tal franja da má sorte, não deixem de olhar com gratidão para aqueles que vos emprestaram um bocadinho de paternidade.

Agora, que já sou pai, vou assegurar que os aperto eu. Estes e, quem sabe, os próximos.

1
1