observador.ptobservador.pt - 14 mar 22:26

Câmara de Lisboa passou a partilhar informação com Google e Waze

Câmara de Lisboa passou a partilhar informação com Google e Waze

A Câmara Municipal de Lisboa lançou esta quarta-feira uma plataforma online de trânsito que partilha informação de condicionamentos na capital com o Google Cloud e com o Waze.

Se na manhã de quarta-feira utilizou o Waze ou o Google Maps em Lisboa, já pode ter notado a diferença. Todos os condicionamentos de vias reportados à Câmara Municipal passaram a estar disponíveis “no máximo, em cinco minutos”, nestas aplicações móveis, como explicou Miguel Gaspar, vereador da mobilidade e segurança.

Todos os dados podem também ser consultados no site da câmara, numa nova plataforma que, em tempo real, dá as informações aos munícipes. Com versão para PC e para smartphones, esta ferramenta permite também partilhar nas redes sociais e por email os condicionamentos que podem ser encontrados nas estradas da capital.

Na apresentação que decorreu esta quarta-feira nos Paços do Concelho, Miguel Gaspar referiu que esta aposta da CML surge por “a mobilidade estar a viver uma revolução”. Quanto à integração da informação com as aplicações de mobilidade — como o Waze — o autarca explicou que “há mais de sete mil pessoas a utilizar o Waze na cidade de Lisboa”. Considerando que a aplicação “ainda é de nicho”, o objetivo desta aposta na integração é facilitar a aceitação destas plataformas para melhorar a mobilidade na cidade.

Em declarações ao Observador, Paula Santos Martins, chefe de divisão na direção municipal de mobilidade e transportes, explicou que esta troca de informações — tanto na CML partilhar informação de condicionamentos com o Google Cloud e Waze, como na utilização dos mapas do Google na nova plataforma interactiva da CML — não resultou em custos para a autarquia.

Já no desenvolvimento do novo site, a focusbc “cobrou os valores normais”, neste tipo de projectos, explicou. À Lusa, o vereador Miguel Gaspar avançou que este valor “foi inferior a 70 mil euros”. A plataforma começou a ser desenvolvida no início do ano passado e a parceria com o Google Cloud e o Waze foi celebrada em agosto.

Para o futuro, a autarquia quer permitir que a informação de congestionamentos em plataformas como a que agora lançou, e com o Google Maps e Waze, tenha também a informação em tempo real da base de dados da Polícia de Segurança Pública. Num exemplo dado na apresentação, o autarca referiu que, atualmente, a Carris já disponibiliza aos motoristas um sistema semelhante para evitarem ruas cortadas ou com mais trânsito.

1
1