www.publico.ptpublico.pt - 14 mar 19:20

Beleza. Aos 42, Rossellini perdeu o contrato com a Lancôme, aos 63 recuperou-o. Porquê?

Beleza. Aos 42, Rossellini perdeu o contrato com a Lancôme, aos 63 recuperou-o. Porquê?

A marca de cosmética considerou que, aos 42 anos, a actriz era demasiado velha para as suas campanhas.

Aos 65 anos, Isabella Rossellini é a nova cara da Lancôme. A escolha de uma mulher mais velha para representar uma marca de cosmética já é em si surpreendente, mas a história não fica por aí: a actriz trabalhou durante 15 anos com a Lancôme e aos 42 anos convidaram-na a sair, por ser demasiado velha. Passados mais 20 anos – e com uma mulher à frente da decisão – Rosselini está de volta.

A actriz de 65 anos voltou a ter um contrato com a marca em 2015, mas desde então tem aparecido em poucas campanhas, não chegando ainda a figurar um anúncio oficial. Este ano vai finalmente aparecer num anúncio para um creme de noite.

No talk-show sueco-norueguês, Skavlan, a modelo e actriz lembra o que os responsáveis da marca lhe disseram há mais de 20 anos: "As mulheres sonham ser jovens, por isso não podes representar o sonho da mulheres. A publicidade não representa realidade, representa o sonho."

Quando, recentemente, recebeu o convite para voltar a ser a cara da marca, a primeira reacção foi de suspeita. "23 anos depois, não me tinha tornado mais jovem, era mais velha. Talvez na fantasia deles me tenha mantido 23 anos mais nova", pensou. Pelo sim pelo não, viajou de Nova Iorque até Paris para um encontro cara-a-cara. E a marca insistiu que queria voltar a trabalhar com a actriz.

À chegada à reunião, conta Rossellini ao Daily News, viu a actual presidente internacional, Françoise Lehmann, chegar de mota. "Ela caminhou na minha direcção, deu-me um passou-bem e disse 'olá, sou a Françoise' e soube de imediato que as coisas tinham mudado. Antes, costumava lidar com homens de 60 anos que eram paternalistas e condescendentes", conta.

Rossellini quis saber por que é que não escolheram outra mulher de "60 ou 70 e tal anos", em vez de ir desenterrar uma história e possivelmente criar uma polémica. A resposta de Lehmann comoveu-a e eventualmente convenceu-a a aceitar a proposta: "Nós errámos e queremos corrigir o erro publicamente". "Achamos que as mulheres não querem apenas parecer novas, queremos passar uma mensagem de inclusão", ouviu ainda.

A Lancôme não foi a primeira marca a recrutar actrizes mais velhas para o centro de campanhas multimilionárias. Há alguns anos que a L'Oréal trabalha com Helen Mirren, de 72 anos, e Jane Fonda, de 80. Já participaram em inúmeros anúncios e no ano passado desfilaram para a marca, em Paris, num espectáculo que fechou a avenida Champs-Élysées.

A própria indústria da moda parece estar a acordar para o potencial desta faixa etária e a mudar a forma como as mulheres mais velhas são representadas (ou não) nos media. Maye Musk — que, além de instagrammer, é mãe de um dos empresários mais mediáticos do mundo, Elon Musk, dono da Tesla —, é modelo há cinco décadas e garante que hoje, com 69 anos, está “a trabalhar mais do que nunca”. Assinou contrato com a IMG Models, uma das maiores agências do mundo, e no ano passado tornou-se uma Cover Girl

O caso de Musk não é único. Tal como Lyn Slater (iconaccidental, no Instagram) e Helen Ruth Elam Van Winkle (baddiewinkle), faz parte de um grupo de bloguers de moda com centenas de milhares de seguidores nas redes sociais.

Cada vez mais livre

Isabella Rossellini foi avó pela primeira vez há poucas semanas e, conta no mesmo programa de televisão, sente-se cada vez mais livre. "Falam sempre connosco, mulheres, sobre quão horrível é envelhecer, mas não é, na realidade. Sim, ganhamos algumas rugas, mas ficamos muito mais livres".

Com essa liberdade, seguiu na direcção de alguns dos sonhos e interesses que tinha desde nova. Há cerca de quatro anos decidiu estudar comportamento animal. A partir daí surgiu um projecto invulgar: uma série de curta-metragens sobre a vida sexual dos animais, chamada Green Porno.

"Quando tinha 12 anos achava que iria ser realizadora de documentários sobre o comportamento animal. Mas não sabia como lá chegar. Muitas mulheres dizem que era difícil imaginarem-se como realizadoras. Modelos e actrizes, claro, mas como realizadoras não", conta. Além disso, comenta, às vezes as pessoas são obrigadas a tomar decisões práticas, em relação à vida. "Depois, à medida que ficamos mais velhas, fazemos o que queremos. Estou nessa fase da vida, por isso é bastante entusiasmante ser mais velha", conclui.

1
1