observador.ptJosé Manuel Fernandes - 15 fev 10:06

Um dia vai ser proibido ser católico

Um dia vai ser proibido ser católico

As reacções à nota do Patriarca de Lisboa revelaram a incapacidade de ler e compreender o que lá estava escrito e, sobretudo, o desejo de submeter a Igreja à ditadura igualitária dos tempos que correm

Vou começar este texto exactamente como comecei um que escrevi há já oito anos. Mas não faz mal repetir-me. Por isso esclareço que não sou crente. Educado na Fé Católica, passei pelo ateísmo militante e hoje defino-me como agnóstico. Talvez não devesse, por isso, pôr-me a discutir a doutrina da Igreja Católica e aquilo que ela recomenda não apenas aos crentes, mais neste caso concreto aos crentes praticantes, pois é isso que está em causa na polémica sobre a Nota Apostólica do Cardeal Patriarca. Mas tem de ser. E tem de ser porque temo que, um dia destes, para se ser católico e procurar viver de acordo com o Catecismo da Igreja vai ser necessário esconder, ou pelo menos disfarçar, a sua Fé — e não preciso de partilhar essa Fé para defender a sua prática em absoluta e total liberdade.

Mas vamos por pontos, de forma naturalmente sintética, pois alguns mereceriam maior aprofundamento. Mas são três notas que não posso deixar de sublinhar.

1. Surpreende-me que boa parte desta discussão, mesmo a que teve como protagonista gente supostamente bem informada (e não apenas a barulheira típica das redes), tenha decorrido sem que a maior parte dos que nela participaram mostrassem ter tido o cuidado de ler atentamente a Nota Pastoral. Ora tratando-se de um tema delicado que divide a própria Igreja Católica, onde se percebe que existem diferentes sensibilidades, a fórmula adoptada pela Nota Pastoral é, ao contrário do que se quis fazer crer, especialmente defensiva. D. Manuel Clemente, mais do que elaborar sobre o sentido do capítulo VIII da exortação apostólica ‘Amoris Laetitia’ – relativo à forma como lidar com os católicos recasados –, preferiu citar longamente e subscrever a abordagem dos bispos de Buenos Aires. Fê-lo de forma tão explicita que procurar eventuais desalinhamentos, como também já vi fazer, é apenas tentar evitar a constatação do inevitável: o bispo de Lisboa foi apressadamente criticado pelos mais zelosos fãs do Papa Francisco (um deles falou mesmo em “delírio mental”) por adoptar uma orientação que esse mesmo Papa Francisco considerou resultar da única interpretação possível da ‘Amoris Laetitia’. Paradoxal mas verdadeiro.

(Já agora note-se também que as críticas à Nota Pastoral dos sectores mais conservadores da Igreja, os que não admitem qualquer mudança, que também existiram de acordo com o testemunho de dois padres — aqui e aqui –, essas foram totalmente invisíveis da comunicação social.)

Se quisermos ser honestos, e discutir seriamente estes temas, então teremos de reconhecer que a novidade relativamente ao caminho aberto pelo Papa Francisco com a ‘Amoris Laetitia’ não está nas recomendações de D. Manuel Clemente, que seguem muito fielmente o guião delineado por Roma. A novidade, em Portugal, estará mais na carta Construir a Casa sobre a Rocha, do arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, que essa sim é mais ousada e muito mais detalhada – mas que por isso mesmo suscitou reações de sinal contrário, até nos Estados Unidos. Ou seja, existe uma pluralidade no interior da Igreja portuguesa, ao mais alto nível, o que é sem dúvida interessante mas pouco considerado.

2. Apesar de serem muitos os sinais de desorientação na forma como se abordam os temas da sexualidade nos dias de hoje – de que são sinais evidentes alguns excessos e desnortes da campanha #MeToo –, a verdade é que é sempre muito tentador atacar o que é sempre descrito como “conservadorismo” da Igreja Católica, essa instituição “retrógrada” que resiste a mudar ao sabor da vontade dos colunistas, das indignações das redes sociais ou do activismo de alguns grupos dissidentes. E nada melhor do que uma recomendação de continência sexual feita por um cardeal para incendiar os espíritos. “Porque insiste a Igreja em meter-se na cama das pessoas?”, pergunta-se de forma indignada.

Na verdade, como já se recordou, não é apenas o catolicismo que se ocupa da moral sexual – todas as grandes religiões o fazem. Valeria a pena discutir por que o fazem, mas esta não é a ocasião, até porque verdadeiramente o que está no documento de D. Manuel Clemente (como no dos bispos de Buenos Aires ou na ‘Amoris Laetitia’) não é, como se pretende fazer crer, uma condenação do sexo. Mais: se quisermos compreender melhor a posição actual da Igreja sobre o amor erótico o documento a ler não é esta exortação apostólica do Papa Francisco, mas a encíclica ‘Deus Caritas Est’, a primeira do papado de Bento XVI.

O que estes documentos que agora discutimos abordam é outra coisa – é a conciliação entre diferentes sacramentos. Imagino que quem nunca teve educação religiosa católica não compreenda sequer o que é um sacramento, mas o dilema que a ‘Amoris Laetitia’ procura enquadrar é o dos católicos que contraíram o sacramento do matrimónio, um sacramento considerado indissolúvel (princípio que nem o Papa Francisco questiona), que depois terminaram o seu casamento e, por isso, estão em falta (ou em “pecado”, essa palavra impronunciável nos dias que correm), e pretendem ter acesso a outros sacramentos, como o da comunhão.

É a contradição entre os deveres impostos para o acesso a certos sacramentos e a violação assumida e vivida de um outro sacramento que cria uma espécie de quadratura do círculo de que seria impossível sair com uma aplicação estrita da doutrina. A evolução da ‘Amoris Laetitia’ é que remete a resolução dessa contradição para quem acompanha directamente os casais, ou seja para o nível de maior proximidade. O que a nota de D. Manuel Clemente, como a do D. Jorge Ortiga, como a dos bispos de Buenos Aires, procura fazer é dar orientações a quem lida directamente com esses casais, e mesmo havendo aproximações com nuances, a verdade é que nenhuma delas é um livro de instruções fechado. A referência à “continência” é apenas um de vários caminhos indicados, neste caso concreto tanto nas dioceses de Lisboa como da capital argentina. A latitude de intervenção dada a quem está no terreno é muito ampla como verificarão os que lerem com cuidado todos os documentos – e é de resto essa latitude que suscita a critica dos sectores mais tradicionalistas.

3. Claro que tudo isto parece estranho num tempo e em sociedades onde as referências morais deixaram de ser importantes. Numa época relativista, onde se valoriza sobretudo o prazer imediato e se exige tudo já – nisto a nossa contemporaneidade infantilizou-se, só parece capaz de alcançar o imediato como uma criança mimada –, tudo o que saia da norma e implique alguma forma de sacrifício é logo visto como uma manifestação de obscurantismo, quando não de opressão. Por isso pouco interessa aos indignados com a Nota Pastoral que ela apenas se dirija apenas aos católicos e, entre os católicos, apenas aos recasados que querem continuar a participar plenamente na sua Igreja. De nada vale recordar que em Portugal ninguém é obrigado a ser católico, que o casamento religioso não impede o divórcio civil, que muito menos se obriga alguém a ir à Missa, a confessar-se ou a comungar. Nada disto interessa, pois aquilo que verdadeiramente interessa é impor à Igreja a norma relativista dos dias que correm. Pior: em muitos meios ser católico, crente (coisa que, volto a recordar, não sou) é facilmente objecto de escárnio, quando não de discriminação. Já estivemos mais longe do dia em que praticar a doutrina da Igreja tenha de ser feito quase às escondidas.

Há também nesta pretensão o tradicional autoritarismo dos iluminados, o inevitável totalitarismo dos que pretendem igualizar tudo em nome do que entendem ser a modernidade ou os direitos que estiverem de momento na moda (também há direitos que passam de modas…). É uma pretensão de desconcertante arrogância num tempo em que não nos faltam sinais de esquizofrenia e confusão, onde tanto encontramos quem mande retirar um quadro clássico de um museu porque mostra jovens nuas como se glorifica a provocação como obra de arte, onde se pretende viver sem limites (ou “tabus”) a libertação sexual mas se quis proibir todo o tipo de piropos, e por aí adiante.

Mas há mais. Há também a velha ideia de que a Igreja só sobreviverá se se “modernizar”, o que significa sempre seguir os sinais dos tempos. Na verdade nenhuma instituição que tenha seguido essa orientação durou muito tempo, pelo que prefiro respeitar a prudência de uma Igreja que está cá há dois mil anos.

O grande escritor G. K. Chesterton notou um dia que “não queremos, como dizem os jornais, uma Igreja que se mova com o Mundo, queremos uma Igreja que mova o Mundo”. Julgo que esta frase sintetiza bem a diferença entre os que olham para a Igreja como olham para um partido político obcecado com as sondagens (nas reacções à Nota Pastoral houve até quem usasse grelhas de análise típicas do comentário político) ou para uma marca comercial obrigada a satisfazer os consumidores, e os que a vêm como uma referência com outras obrigações e, necessariamente, um outro tempo.

De resto chamo a atenção dos mais desatentos para o facto de, mesmo assim, a Igreja se mover – sendo que não se move, nem deveria mover-se, em função apenas do espírito do tempo e da volubilidade das gentes. Ainda bem.

1
1