www.jn.ptMiguel Guedes - 14 fev 00:00

Carnaval, apanhado pelo clima

Carnaval, apanhado pelo clima

Era uma vez o Entrudo. Este é um texto para as pessoas que odeiam o Carnaval. Também para aqueles que o amam. Não para aquelas pessoas que, como eu, lhe são indiferentes, olhando-o com enfado ou com a cínica bondade de quem sabe transportar um feriado na bainha do pierrot, colombina ou arlequim. Os três últimos dias foram passados em desfiles, ribomba que há festa, festividades alegóricas, mistura de cores e trapos capaz de fazer inveja à cena mais turística de um filme promocional a tintas. O que é mais espantoso é assistir ao contraste de tanta gente a quente e frio, como aquelas duas bolas de gelado do início da carta das sobremesas, aqui servido com uma cobertura hipnótica de plumas, lantejoulas e penas. O público confunde-se com mirones de gabardina a céu aberto.

Se há algo fascinante é ver nas ruas espectadores de sobretudo e cachecol a animar sambadores com pele eriçada em suores frios a curtir como demónios sem escola. E o empenho, o trabalho de grupo meses a fio, as juntas e as colectividades, as comissões de serviço, as noites sem dormir e a ocupação de tempos livres. Notável. Aquela notícia que surge sempre como um lembrete de higienização contra o cinzentismo: o Carnaval, para alguns, é a prova de que não podemos deixar morrer a criança que existe dentro de nós. Um fora do espaço, outro fora do tempo. Olho para o verde-amarelo Carnaval português e sinto-o tão moribundo como o teatro de revista.

A questão climatérica importa. Até ao momento em que alguém me acorde para um sambódromo inundado de kispos anorak, terei sempre no meu pensamento que somos nós e a nossa tendência para importar coqueiros para o cume da serra da Estrela. Não aspiro pelo dia em que o Rio de Janeiro se encha de máscaras venezianas ou pela madrugada em que o Recife se engalane com um bloco de Galo em vestes romanas, momento em que o "adeus à carne" trairá o seu estupendo e feérico Carnaval. Aspiro pela tarde em que a nossa apropriação do Carnaval brasileiro não saia do Parque Mayer, desafiando o frio de Fevereiro.

A animação é, por si só, um sentimento maravilhoso. Como aquelas pessoas que, ao descrever o estado de alguém em convalescença, se referem ao doente com uma condescendência esperançosa: "nem bem, nem mal mas... animado". É um pouco como a palavra "encantadora", uma mistura de simpatia e tédio. Na cidade maravilhosa da Mealhada, a nossa "Las Vegas dos Leitões", a chuva cancelou o Carnaval da tarde de domingo. Cheia de encantos mil.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

* MÚSICO E JURISTA

1
1