expresso.sapo.ptexpresso.sapo.pt - 14 jan 11:00

A água é o próximo luxo

A água é o próximo luxo

Há uma nova moda nos Estados Unidos que é um hábito antigo em Portugal. Aquilo que para uns é luxo, para outros foi sempre tradição popular. Falamos de água, e de fontes. Nos EUA, chamam-lhe “água crua”

Cantava o poeta Luís de Camões: "Descalça vai para a fonte/ Leonor, pela verdura/ vai formosa e não segura. Leva na cabeça o pote/ o testo nas mãos de prata/ cinta de fina escarlata/ sainho de chamalote;/ traz a vasquinha de cote/ mais branca que a neve pura;/ vai formosa e não segura". Naquele tempo, e durante muitos séculos, as mulheres iam às fontes da aldeia recolher água em cântaros que levavam à cabeça, para casa. A água canalizada só chegaria muito mais tarde – em 1970, segundo o Instituto Nacional de Estatística, quase 53% da população não tinha água canalizada.

Acredite ou não, esta é a nova moda nos EUA: chamam-lhe "água crua" (raw water), e não é mais do que água recolhida da fonte, não sujeita a tratamentos. Esta água 100% natural é engarrafada e vendida a preços absolutamente exorbitantes – um litro de "Live Water", por exemplo, custa 23 dólares (19 euros). Nos últimos tempos, várias marcas de raw water surgiram nos EUA – a "Live Water", do estado do Oregon, a "Tourmaline Spring", do Maine, ou a "Zero Mass Water" são algumas delas. E se acha que isto é uma moda passageira, saiba que é também uma moda lucrativa: desde novembro, a "Zero Mass Water" já garantiu 20 milhões de euros de investimento.

A moda das águas de luxo, como a Voss ou a Fiji, chegou há já uns anos

A moda das águas de luxo, como a Voss ou a Fiji, chegou há já uns anos

Nicholas Hunt

Esta tendência surge devido aos críticos da água da torneira. Os tratamentos químicos por que esta passa antes de chegar às casas dos consumidores, ou as canalizações de chumbo que ainda existem em alguns locais levam muitos a procurar uma alternativa.

Contudo, estas águas não tratadas de fontes públicas, não são – ao contrário do que se possa pensar – isentas de risco. A Organização Mundial de Saúde afirma que todos os anos cerca de meio milhão de pessoas que consomem água não tratada acabam por morrer. A principal razão por trás disso são as diarreias, que podem levar à desidratação extrema e à morte.

Johannes Simon

Se do lado das vantagens de uma água não tratada estão os probióticos naturais que estas contêm, do outro lado está uma infinitude de organismos que podem provocar doenças, afirmam os profissionais de saúde. Podem ser químicos, parasitas ou contaminações de produtos usados na agricultura.

Muitos médicos norte-americanos manifestaram a sua preocupação face a esta questão de saúde pública, como é o caso de Jamin Brahmbhatt, profissional de saúde em Orlando Health. "A razão pela qual não temos muitas das doenças dos países do Terceiro Mundo é precisamente graças ao nosso sistema de tratamento de água", enfatiza. "Há milhões de pessoas no mundo que dariam a vida para ter água potável, que lhes garantisse maior longevidade e mais saúde, e nós estamos a ir na direção oposta", frisou.

Os EUA têm um dos sistemas de tratamento de águas mais seguros do mundo. Desde que o país começou a desinfetar a água no início do século XX, assistiu-se a um decréscimo muito acentuado de doenças como a febre tifóide ou a cólera.

1
1