expresso.sapo.ptexpresso.sapo.pt - 12 jan 17:01

Centeno e Le Maire querem aproveitar “janela de oportunidade” para reformar a zona europeia

Centeno e Le Maire querem aproveitar “janela de oportunidade” para reformar a zona europeia

“Estamos agora num momento-chave na zona euro e temos uma oportunidade única nos próximos meses que não pode ser desperdiçada. A notícia que recebemos da Alemanha apenas reforça esta janela de oportunidade e tem de ser usada para reforçar o processo que temos de avançar nos próximos meses”, afirmou Mário Centeno, após ter estado reunido com o ministro francês da Economia e Finanças

O ministro das Finanças e novo presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, e o ministro francês da Economia e das Finanças defenderam, esta sexta-feira, em Paris, que é preciso aproveitar a “janela de oportunidade” para reformar a zona euro.

As declarações foram feitas em conferência de imprensa, no ministério francês da Economia e das Finanças, depois da reunião de Mário Centeno com o seu homólogo Bruno Le Maire.

“Estamos agora num momento-chave na zona euro e temos uma oportunidade única nos próximos meses que não pode ser desperdiçada. A notícia que recebemos da Alemanha apenas reforça esta janela de oportunidade e tem de ser usada para reforçar o processo que temos de avançar nos próximos meses”, afirmou Mário Centeno, em referência ao acordo de princípio para a formação de um novo governo na Alemanha.

O ministro francês da Economia e das Finanças disse que não duvida de que Mário Centeno “será um grande presidente do Eurogrupo” e considerou, também, que “o tempo urge” e “há uma janela de oportunidade única para avançar e progredir rapidamente nesta integração na zona euro”.

Esta sexta-feira, Mário Centeno assumiu a liderança do Eurogrupo numa cerimónia de “passagem de testemunho”, na embaixada de Portugal, em Paris, em que recebeu a pasta do holandês Jeroen Dijsselbloem.

Depois da cerimónia, em que Centeno disse querer “uma Europa mais robusta e mais resistente a crises” e que se está perante uma “janela de oportunidade para progredir na construção europeia”, explicando, depois, aos jornalistas portugueses que isso se deve a uma dimensão política, nomeadamente ao “início de ciclos políticos muito relevantes em vários países da Europa” e às atuais “boas condições económicas” na Europa.

“A outra dimensão é a económica, pelas boas condições económicas que nós temos na Europa: crescimento económico acima de 1,5% para todos os países, uma posição orçamental equilibrada no conjunto da área com melhorias muito significativas também transversalmente a todos os países e com uma posição de poupança líquida e uma posição externa muito favorável para a Europa”, explicou.

O novo presidente do Eurogrupo acrescentou que os “marcos muito importantes” que a zona euro tem pela frente passam pela conclusão da união bancária, da união do mercado de capitais e de “uma capacidade orçamental para a união que promova o investimento e que promova a estabilidade e que funcione como mecanismo de estabilização”.

Na quinta-feira, o ministro português foi recebido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, e depois deslocou-se ao palácio de Matignon para uma reunião com o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe.

No dia 22 de janeiro decorre a primeira reunião do Eurogrupo sob a presidência de Mário Centeno, em Bruxelas.

1
1