www.publico.pt[email protected] - 8 dez 06:44

Opinião. A nossa cara

Opinião. A nossa cara

O livro Volta a Portugal de Álvaro Domingues é fulminante. Desafio quem quer que seja a não o ler de uma assentada.

Fala de coisas muito sérias – das maneiras como mentimos a nós próprios sobre o território que ocupamos –, mas está tão bem apanhado e escrito que é um enorme prazer lê-lo.

Como todas as obras-primas é difícil classificá-lo. É um livro de maravilhosas fotografias surrealistas, tiradas, escolhidas e legendadas com um delicioso e seco sentido de humor. Álvaro Domingues trabalha na parte mais difícil do espectro literário: na tragédia cómica. Tanto rimos como choramos: não há nada no meio. Não há sermões, panaceias, chouriços, palha, jargão, wikipedantismos, chatice ou sectarismo, perdão ou voluntarices.

É um livro genial de citações tão inesperadas e imprevisíveis como os retratos de Portugal escritos pelo autor. Estes só parecem muito curtos porque queremos que continuem. Têm o tamanho que têm porque estão tão bem escritos e reescritos que contêm o essencial, dito com o brilho e a incidência dos relâmpagos.

Também na colecção de citações, tão habilmente equilibrada, só apetece rir e chorar. Volta a Portugal é verdadeiramente um livro sensacional: emprego literalmente, sem exagero, tanto o advérbio como o adjectivo.

Seria uma típica tragédia achar-se que Volta a Portugal é um livro importante que todos nós temos de ler. Qual quê! O livro é divertidíssimo. É urgente ter um exemplar à mão porque é um daqueles raros livros que não pára quieto. Viva Álvaro Domingues!

1
1