sol.sapo.ptsol.sapo.pt - 7 dez 15:39

Eutanásia. CDS quer debate profundo e sem demagogias

Eutanásia. CDS quer debate profundo e sem demagogias

"O direito a ser morto por outro não será nunca um direito fundamental", afirma Isabel Galriça Neto

O CDS exige "um debate profundo, esclarecedor, não demagógico e sem recurso a eufemismos" sobre a despenalização da morte assistida. 

A deputada Isabel Galriça Neto esclarece que o CDS ainda não se pronunciou a favor de um referendo e que ele só poderá existir depois de um amplo debate. 

"Não nos pronunciámos a favor de um referendo, ainda que não excluindo que essa possa ser uma hipótese a equacionar no futuro, nunca antes de um debate esclarecedor e sério, que tem que continuar, sem precipitações".

A deputada centrista defende que "o que está em causa é a hipótese de legislar sobre a morte provocada e antecipada por um médico, um homicídio a pedido. Não se trata tão pouco de discutir o direito a morrer mas sim o direito a ser morto por outro que não será nunca um direito fundamental". 

O CDS reafirma ainda que  "os partidos políticos não apresentaram posições sobre esta temática nos programas eleitorais que submeteram ao eleitorado nas ultimas eleições"

A deputada socialista Isabel Moreira acusou ontem o CDS de "populismo" por defender um referendo. "No CDS não se lê a Constituição? Não sabe o CDS que as matérias relativas aos direitos, liberdades e garantias são de reserva de competência do Parlamento? Não sabe o CDS o que é a democracia representativa? Não sabe o CDS que não se referendam fundamentais?", afirmou a constitucionalista.

1
1