rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 7 dez 21:28

​Bispo de Vila Real. “A Festa do Natal deve levar-nos a Jesus”

​Bispo de Vila Real. “A Festa do Natal deve levar-nos a Jesus”

Na sua mensagem de Natal, D. Amândio Tomás denuncia o “esbanjamento, que é grave injustiça a milhões de seres humanos, sem acesso aos bens e sem afecto, numa existência imerecida”.

O bispo de Vila Real, D. Amândio Tomás apela na sua mensagem natalícia que é urgente que o Natal “adquira sentido, santidade e dignidade”.

“Peço que espereis e celebreis a vinda de Jesus e não o culto do dinheiro, o narcisismo e a escravidão, porque é Cristo, que devemos celebrar e não o egoísmo, os ídolos e as bugigangas, que distorcem a Vinda do Filho de Deus”, escreve D. Amândio.

Segundo o bispo de Vila Real, “os humanos tornaram-se insensíveis, já não se deixam tocar pelo amor de Deus, pela vinda intermédia de Jesus, que bate à nossa parte e nos convida à fidelidade, à prática do bem e à consagração da própria vida”.

Na sua mensagem, intitulada “O Natal cristão que sonho, me proponho e vos desejo”, D. Amândio afirma que o “Natal tornou-se carnaval” e denuncia “o esbanjamento, que é grave injustiça a milhões de seres humanos, sem acesso aos bens e sem afecto, numa existência imerecida”.

“Esquecem que Jesus veio pregar a Boa Nova aos pobres e para que tenham a vida em abundância. A celebração do Natal e do mistério redentor de Cristo perverteu-se. Já não há Natal do Filho de Deus, na vida concreta e paganizada das pessoas”, lamenta.

“Como falar do Natal, no mundo secularizado, pós-cristão, enredado na fantochada celebrativa do regabofe do prazer divinizado?”, interroga-se o bispo de Vila Real, apontando que “o Natal devia celebrar, exclusivamente, a vinda do Filho de Deus, que se fez carne”.

O bispo de Vila Real lembra que “o Menino Jesus é o centro, é o ponto de referência e a causa da alegria e da festa natalícia” e que “o Natal exige a Páscoa e orienta-se para ela, como saída e oferta de nós mesmos”.

D. Amândio Tomás recorda que o Ano Pastoral diocesano, dedicado à vocação e ao serviço, visa “interpelar e comprometer cada um, na resposta a Deus e na realização da sua vocação, sob a protecção da Mãe de Jesus, que, em Caná, nos pediu, para fazermos o que o Filho pede e, em Fátima, há cem anos, desafiou os pastorinhos a consagrarem-se a Deus, com a íntima e total oferta da própria vida”.

O prelado termina a sua mensagem desejando a todos os diocesanos que Deus Menino encha a todos “de bênçãos e, pelo glorioso mistério da Sua vida, morte e ressurreição” e a todos “conceda a vida eterna e a alegria do Ressuscitado”.

1
1