www.jn.ptNuno Botelho * - 15 nov 00:04

As três vitórias da EMA

As três vitórias da EMA

Na segunda-feira, o Conselho Europeu decide a relocalização da sede da Agência Europeia de Medicamentos. Saia ou não vencedora, a candidatura do Porto é por si só um enorme sucesso. Para efeitos internos, como internacionalmente, vamos recolher os dividendos do investimento nacional em torno do Porto.

O estudo da EY, que a Associação Comercial do Porto promoveu, é claro quanto ao potencial da candidatura - o Porto é um dos cinco melhores classificados nos diversos parâmetros em análise -, quer quanto ao impacto da vinda da EMA para Portugal - mais de cinco mil postos de trabalhos diretos, acréscimo de receitas fiscais de 165 milhões de euros e uma estimativa de 1,2 milhões de receitas produzidas. Valeu a pena realizar este estudo. O que fica, em termos de posicionamento e competitividade internacional da cidade do Porto, é algo de muito forte e que nos deve orgulhar enquanto cidade, região e país.

Eu acredito nas possibilidades de êxito da candidatura portuguesa. Mas, antes de o ser (ou mesmo que não vença), ela é já vitoriosa. Desde logo porque o país foi capaz de questionar a "inevitabilidade" da candidatura de Lisboa (que é sede de duas agências europeias) a receber a EMA, abrindo um debate lúcido e informado. A escolha portuguesa, consensual, foi o Porto.

A segunda conquista do Porto prende-se com a mobilização política nacional (envolvendo corpo diplomático, turismo, Governo e setor da saúde), bem como o trabalho de lóbi que a rede de instituições e agentes da cidade ativou em torno da candidatura (contando, para além da liderança e forte empenho da Câmara Municipal, com o apoio da Associação Comercial do Porto, das universidades públicas e privadas, do Politécnico, do i3S e de todo o "health cluster" e demais agentes políticos). O Porto e o país trabalharam em equipa. Este é o momento de destacar todo este espírito de envolvimento e de missão.

Terceira conquista do Porto: quatro meses de forte promoção internacional da cidade, rentabilizando os atributos únicos do destino não apenas para efeitos de nova sede da EMA, como em termos turísticos e também, bastante, no que toca ao potencial de atração de investimento estrangeiro direto. Colocando o Porto onde, de facto e por direito próprio, merece estar: na primeira linha das cidades da Europa.

Segunda-feira saberemos o resultado. Teremos pelo menos uma vitória. Talvez uma enorme vitória. Enquanto cidade e país, ganhamos sempre.

* EMPRESÁRIO E PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO PORTO

1
1