pplware.sapo.ptpplware.sapo.pt - 15 nov 13:00

5 coisas que não deve partilhar nas redes sociais

5 coisas que não deve partilhar nas redes sociais

A facilidade da partilha promove a publicação de dados sensíveis. Assim, por segurança de todos, deixamos 5 coisas que não deve partilhar nas redes sociais.

Não é novidade para ninguém que, praticamente, todas as pessoas estão ligadas entre si, nomeadamente nas redes sociais. O Facebook é, em especial, a plataforma mais utilizada para as pessoas partilharem conteúdos, comunicarem, estarem informadas, etc.

Mas… há aqui um grande dilema… é fundamental sabermos utilizar estes meios e, dessa forma, deixamos 5 coisas que não deve partilhar nas redes sociais.

A facilidade com que, hoje em dia, se partilham coisas pelos contactos é tentadora para que se publiquem informações sensíveis, sem que tenhamos consciência do perigo que pode advir da partilha de determinados conteúdos. Assim, e a zelar pela segurança de todos, selecionámos 5 coisas que não deve partilhar nas redes sociais:

#1 – Imagens ou vídeos a alta velocidade

Sim, sabemos que dá muita adrenalina andar a alta velocidade seja numa auto estrada ou noutra via… Mas, por lei, existe uma velocidade máxima para cada local específico. Porém, é comum vermos pessoas a partilhar imagens ou vídeos, captados, por elas mesmas, onde vemos o carro a alta velocidade em que, inclusivé, verificámos o velocímetro muitas vezes a marcar muito acima dos 120km/h, o máximo permitido em auto-estradas.

Ora, ao partilhar-se uma imagem deste género, que é interpretada por muitas pessoas como um ato heróico mas por outras como um gabanço insconciente, quase que se está a pedir às autoridades uma detenção. É, como se costuma dizer, pôr o ouro nas mãos do ladrão. Por um lado esta exibição da velocidade acima do permitido por lei, por outro está a utilização do telemóvel enquanto se conduz, o que também é punível e, organicamente, diminui a capacidade de atenção/concentração… sobretudo quando se vai a alta velocidade.

#2 – Dados pessoais

Esta é uma regra básica mas que, no meu entender, muitos ainda não se consciencializaram dela. Tudo o que seja dados pessoais, sensíveis e que possam ser utilizados, facilmente, por terceiros de modo pejorativo, deve evitar-se expor e publicar nas redes sociais.

Assim, deve evitar ao máximo partilhar informações como morada, contacto telefónico, número de cartão de cidadão, NIF, NISS, palavras passe, dados de familiares, informações sobre o local de trabalho, entre outros.

Neste ponto, alerta-se ainda para muitas publicações do género “Perdi todos os contactos do meu telemóvel…. mandem SMS a identificar-se para o número 9xxxxxxxx“. À partida, parece uma publicação sem qualquer problema… e seria, não houvesse pessoas mal intencionadas que podem utilizar essa informação para fins maliciosos… até porque, nas lojas de aplicações, existem algumas duvidosas que, bastando colocar um número de telefone, recebemos no nosso telemóvel uma mensagem como se fosse aquele número a enviar. Sim, o mundo anda estranho.

#3 – Cartão de Crédito/Débito

Sim, esta também parece básica e nem devia ser, novamente, alertada. Mas ainda há quem não tenha perceção do problema que é, ou que pode vir a ser, partilhar imagens dos cartões de crédito e/ou de débito nas redes sociais.

Se os dados contidos no cartão de crédito/débito não fossem sensíveis, não tinhamos problema em os mostrar, presencialmente, a todas as pessoas. Mas são e daí o alerta para o cuidado a ter na exposição destes dados tão pessoais e que podem comprometer a nossa vida financeira.

Para além de imagens destes cartões, alertamos também para a não divulgação/partilha de dados referentes ao nosso banco como nome da entidade, NIB, IBAN, valores que temos na conta, condições da nossa conta, etc. Devemos lembrar, antes de mais, que existem muitos ‘espertos’ sempre à espera que alguém falhe e publique algo que possa ser utilizado para seu benefício.

#4 – Matrícula do carro

Muitas vezes por descuido mas muitas outras por puro exibicionismo, muitas pessoas partilham fotografias dos seus veículos, ou de veículos de terceiros, nas redes sociais. É comum até vermos mesmo imagens de perfil ou fotos de capa em que são exibidos carros, motas, camiões, etc.

Mas, na grande maioria das vezes, as pessoas esquecem-se de rasurar/ocultar o número identificativo destes veículos, ou seja, a matrícula.

Parecendo que não, a matrícula dá acesso a um conjunto de informações que, talvez, não queira que seja do conhecimento de pessoas mal intencionadas. Para além de indicar os dados do proprietário/da pessoa em que está registado o veículo, através da matrícula, facilmente na internet, se consegue saber a seguradora e o estado do seguro, as portagens a pagar e pórticos por onde se passou, etc.

Este alerta serve para veículos nossos mas também para imagens/vídeos em que se captem veículos de outras pessoas e, aqui, o problema pode ser um bocadinho mais complicado de resolver, uma vez que estamos a divulgar informações de terceiros, muitas vezes sem o consentimento destes.

#5 – Desabafos sobre o trabalho

A última coisa que hoje aqui deixamos refere-se à parte profisisonal. É extremanente comum vermos pessoas a publicarem, por exemplo, imagens onde se queixam sobre as segundas-feiras. Porquê? Porque, normalmente, é o início de uma semana de trabalho. E porque se queixam? Muitas vezes é mesmo porque não gostam do seu trabalho e, essas publicações, dão azo a comentários em que se confirma isso mesmo.

Ora, esta realidade é mais comum em trabalhadores por conta de outrém e há que ter consciência que os responsáveis pela entidade empregadora, possivelmente, também têm uma conta nas redes sociais e facilmente têm acesso a estas publicações, o que pode trazer consequências para o trabalhador.

Obviamente que as pessoas são livres de publicarem o que querem mas, não nos podemos esquecer que há muitas pessoas no desemprego e, os empregadores, podem optar por descartar alguém que se queixa, publicamente, do local de trabalho ou das funções exercidas, até porque isso pode dar uma má imagem, muitas vezes injustificada, da entidade empregadora. Sugerimos que se tem algum problema com o seu trabalho, comunique diretamente à empresa/empregador.

E assim terminamos com estas 5 situações que, sugerimos que as pessoas devem ponderar a sua publicação/partilha nas redes sociais, tendo consciência das consequências que podem advir da exibição, muitas vezes pública, desses conteúdos.

Que outras situações acham que não devemos partilhar nas redes sociais?
1
1