www.dn.ptPaulo Baldaia - 15 nov 00:00

Opinião Da Direção - O berbicacho da geringonça

Opinião Da Direção - O berbicacho da geringonça

As carreiras dos professores valem tanto como as carreiras de todos os outros funcionários públicos. É uma dupla verdade. Se são todos funcionários públicos não faz sentido que exista um tratamento diferenciado. O problema é que também é verdade que descongelar a carreira dos professores custa tanto (600 milhões de euros) como descongelar todas as outras carreiras.

A geringonça meteu-se definitivamente num grande berbicacho. Os argumentos para o governo seguir por este caminho podem ser jurídicos, mas é evidente que o orçamento não comporta a reivindicação dos professores. A vida vai ficar muito difícil para o governo socialista, já que o cidadão comum terá dificuldade em perceber esta discriminação, por mais ou menos empatia que tenha com esta luta dos professores, e quem de todo não a vai aceitar são os professores. Adivinha-se luta dura e prolongada na rua. Acresce que esta é uma luta que já conseguiu unir UGT e CGTP e que vai deixar os socialistas sozinhos no Parlamento.

Na verdade, já há uma discriminação que favorece os professores. Em regra, eles progridem de quatro em quatro anos, enquanto a progressão na maioria das carreiras se faz de dez em dez. Justo poderá ter de ser os professores cederem nalguma coisa, injusto é diferenciá-los negativamente com o argumento de que eles têm uma carreira mais favorável. Impossível é pensar que o governo pode ganhar este braço-de-ferro.

Depois da reposição de rendimentos, a geringonça julgou possível fazer um caminho tranquilo em direção aos aumentos reais na função pública, que se sentiriam em força em ano de eleições. Pois que não é possível agradar a gregos e a troianos, ou bem que se manifestam orgulhosos por cumprir as regras orçamentais de Bruxelas ou bem que cedem a todas as reivindicações. Para Mário Centeno, que zela pelas boas contas do país, não pode haver aqui nenhuma surpresa, mas pode contar que a vida lhe vai ficar mais difícil na relação com o PS. Os militantes não gostam nada de ser o bombo da festa e é a ele que vão apontar as baterias.

1
1