www.publico.pt[email protected] - 14 nov 06:16

Opinião. Há poucos indecisos

Opinião. Há poucos indecisos

O mundo empurra-nos para tomar decisões como quem toma copos de água. Dão-nos prazos ridiculamente pequenos para decisões que vão afectar grandes extensões das nossas vidas.

Quando Voltaire estava a morrer os amigos dele convenceram um padre a abençoá-lo. Sentou-se na cama dele e perguntou-lhe se renunciava o diabo e a todos os seus aliados. Voltaire respondeu que esta não era altura de estar a arranjar novos inimigos.

Já Pascal tinha dito que faz sentido escolher o baptismo porque é sempre melhor jogar pelo seguro. Se Deus existisse, óptimo, estava tudo tratado. Se não existisse, paciência, tinham-se perdido apenas alguns minutos da vida.

Infelizmente nós estamos programados para decidir, aconteça o que acontecer e saibamos muito, pouco ou nada sobre o assunto em questão. A decisão impressiona os observadores. Se ela se revela certa ou errada já serão outros observadores a, lá está, decidir.

Felizmente também temos em nós uma capacidade quase infinita para a indecisão. A indecisão valiosa é aquela que reconhece ainda não ter todos os dados necessários para decidir. É uma indecisão que tem a coragem de esperar, que tem a vontade de continuar a investigar até chegar à satisfação.

Há quem decida uma coisa e logo mude de ideias, saltando de decisão em decisão. Essa é a pior das indecisões: é uma falsa indecisão. É uma mera promiscuidade deliberativa.

É por isso que há tanta gente, hoje em dia, que se diz vítima de más decisões. Será que chegaram a decidir? Será que sabem o que é?

1
1