observador.ptEstevão Pape
 - 14 nov 09:46

Diabetes 2017: para mudar todos temos que agir

Diabetes 2017: para mudar todos temos que agir

Mensagens simples são eficazes: consumo de água em vez de bebidas açucaradas; consumo equilibrado de fruta fresca; consumo de álcool com moderação; restrição no consumo de gorduras insaturadas.

O dia 14 de Novembro foi há anos escolhido pela IDF – International Diabetes Federation como Dia Mundial da Diabetes.
Neste dia, em especial, em todo o mundo celebra-se o alerta para o problema da Diabetes .
Em Portugal também as Organizações Nacionais – de pessoas com diabetes , cientificas ,de profissionais dedicados em especial a diabetes e também organismos privados e do Serviço Nacional de Saúde , se dedicam a um alerta sobre a diabetes.

Este ano a IDF adoptou como lema – “A mulher e a diabetes” – pois em todo o mundo 199 milhões de mulheres têm diabetes, estimando-se que em 2040 -313 milhões de mulheres terão diabetes.
 A diabetes é de facto um problema mundial – 415 milhões de adultos têm diabetes, ou seja segundo a International Diabetes Federation um em cada onze adultos são diabéticos, sendo a população urbana especialmente atingida .

Em todo o mundo os orçamentos de saúde despendem entre 5 a 20 % com a diabetes, Portugal não é excepção, os gastos com a diabetes representam 1% do PIB.
Envolvimento direto do Serviço Nacional de Saúde, quer das suas estruturas e profissionais quer da brutal necessidade de utilização de fármacos em especial inovadores que se tornam praticamente obrigatórios para o eficaz controlo de pessoas com diabetes, quer ainda do enorme esforço de profissionais multidisciplinares e mesmo da própria industria farmacêutica sao notórios entre nós. Em Portugal, segundo dados do Observatório Nacional da Diabetes (Diabetes: Factos e Números – O Ano 2015, publicado pela Sociedade Portuguesa de Diabetologia), cerca de 10% dos doentes internados em hospitais são diabéticos, e morrem 12 pessoas com diabetes por dia. Também 31 % dos doentes internados nos Serviços de Medicina Interna são diabéticos segundo um estudo –Diamedint – apresentado pelo Núcleo de Estudos de Diabetes Mellitus da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Mas a situação em Portugal é preocupante pois a prevalência da diabetes é de cerca de 13 % da população portuguesa – considerando pessoas com diagnostico e as que sendo diabéticas não sabem que têm a doença.

A mortalidade é também preocupante ­– morrem em Portugal 12 pessoas com diabetes por dia, na Europa morrem por diabetes cerca de 600.000 pessoas por ano, o que representa 8 % da mortalidade global –, o que tanto mais grave se torna pois provavelmente cerca de 39% dos diabéticos não estão diagnosticados.

Neste dia 14 de Novembro de 2017 a nossa – de todos – obrigação é de alerta e ação.
 A chamada de atenção para a Mulher com Diabetes no ano de 2017 é mais um alerta para todos nós portugueses e portuguesas em especial – com especial destaque para o direito a igualdade e acessibilidade aos cuidados de saúde, mas o direito a informação em saúde e aos cuidados de saúde é ainda carente.
 O relatório da OCDE Health at a Glance, publicado muito recentemente, vem também trazer mais um alerta: as admissões hospitalares por diabetes não param de crescer, Portugal não foge à regra, referindo ainda que a diabetes é complicada com outras doenças de grande prevalência como a
hipertensão arterial, em Portugal mais de 80 % dos diabéticos fazem também medicação para a hipertensão arterial , estando em segundo lugar em todo o mundo, situação que traduz a gravidade da doença com implicações óbvias no futuro. 
Mas nem tudo é desastre no nosso país.
 Segundo os dados do referido Observatório recolhidos nos cuidados primários – Centros de Saúde e Unidades de Saúde Familiar os diabéticos portugueses estão razoavelmente controlados do ponto de vista metabólico. Será real? A realidade hospitalar é bem diferente como referimos atrás, embora com esforço das múltiplas unidades hospitalares com serviços diferenciados em tratamento de doentes diabéticos.

E do esforço de associações de diabéticos, sociedades científicas e de profissionais com especial vocação para o estudo e investigação em diabetes .

Estamos certos que os doentes diabéticos são bem acompanhados em Portugal, do ponto de vista médico, quer por profissionais de Medicina Geral e Familiar, quer por especialistas de Endocrinologia, quer
 de Medicina Interna, quer ainda por enfermeiros , em Consultas e Unidades de especial vocação diabetológica.

O Dia Mundial da Diabetes traz alertas mas acarreta responsabilidade para decisores, quer profissionais médicos, quer do Estado e em especial o Serviço Nacional de Saúde, quer privados. A responsabilidade esta na mensagem a população em geral na mudança de atitude em estilo de vida e comportamentos.
 Atuar hoje para mudar o amanha é lema das organizações que se dedicam ao tratamento de pessoas com diabetes, mas temos todos que receber e saber transmitir a mensagem de forma a que se torne real e eficaz – essa é a responsabilidade de profissionais mas de todos.

A diabetes é uma doença com causa direta no estilo de vida, provocando níveis elevados de açúcar no sangue, é certo, mas com implicações em todos os órgãos do coração ao rim, cérebro e pés. 
Mas consulta regular com médico assistente é essencial e seguir os seus conselhos, só na necessidade absoluta ser acompanhado por medico ou consulta especializada de diabetes quer pelo Endocrinologia quer pelo especialista de Medicina Interna com diferenciação diabetológica.

Com especial destaque neste dia 14 de Novembro – actue hoje para mudar o amanhã.

Coordenador do Núcleo de Estudos de Diabetes Mellitus da Socidade Portuguesa de Medicina Interna

1
1