www.sabado.ptFlash - 13 out 03:28

Doutor Relvas, mostre o diploma!

Doutor Relvas, mostre o diploma!

Fiquei contente por o jornalista Bernardo Ferrão ter perguntado a José Relvas se ele tinha acabado a licenciatura.

Fiquei contente por o jornalista Bernardo Ferrão ter perguntado a Miguel Relvas se ele tinha acabado a licenciatura. Até porque a primeira coisa que me vem à cabeça quando o vejo é "olha o falso doutor". A mim e a milhares de portugueses. A pergunta foi justíssima, a resposta é que meteu dó. Não foi por ter acabado a licenciatura que consegue o "canudo" da humildade que dz ter. Acabar um curso não é humildade, era o mínimo que podia fazer.

A entrevista mostrou um homem combativo, cheio de ideias, estamina e "tarimba" na política. Não há dúvida que Miguel Relvas não morreu politicamente. Aliás, já foram declarados mortos para a política muitos outros e que, agora, estão "na maior": veja-se o caso de Isaltino Morais, o  "ex-libris" dos que  defendem a teoria do "temos o país que merecemos". Não é por isso de todo impossível que também Relvas venha a figurar numa qualquer galeria de ilustres. Porém, e acho muito bem, que não seja perdoado por todos os estudantes, professores, universidades  pelo mal que lhes fez.

Hoje em dia, a palavra do estudante numa qualquer secretaria de universidade passou a valer muito menos. O "asterisco" da desconfiança está registado em quase toda a comunidade, devido a casos como o de Relvas e Sócrates, licenciados daquela forma duvidosa que todos sabemos.

Muito por causa dele, candidatos a cursos superiores, recém-licenciados que queiram seguir a carreira académica têm de andar com os diplomas todos atrás (não há cá fotocópias nem abébias) para conseguirem inscrever-se, até nas Universidades que já os conhecem. E mesmo no caso de pessoas licenciadas com experiência profissional comprovada, é cada vez mais difícil aceder a um curso. Mesmo pago. É que há cursos e cursos, doutores e doutores, como todos sabemos. Mas mesmo os doutores considerados de segunda merecem o respeito de Relvas que ontem, teve a distinta lata de dizer: "Nunca virei as costas aos problemas na minha vida. Enfrento-os de frente". Parece-me é que para isto colar, era preciso que o tivesse feito na altura certa. Resolver os problemas depois de ter manifestações à porta da Assembleia da República a pedirem a sua demissão e de ter dado o seu belo exemplo ao país, é muito fácil. Já imaginou quantas pessoas preferiam saltar logo para um emprego e depois acabar uma ou duas cadeiras? Não pense que o "preço" que diz ter "pago" foi grande. Quem o pagou fomos todos nós. Ontem, devia ter pedido desculpa a todos os portugueses. E com o diploma na mão.

1
1