sol.sapo.ptsol.sapo.pt - 17 set 19:12

Birmânia. Discurso à nação será a “última oportunidade” de Suu Kyi

Birmânia. Discurso à nação será a “última oportunidade” de Suu Kyi

Guterres pede à Nobel da Paz para pôr cobro à ofensiva militar que forçou 400 mil rohingya ao exílio

O discurso da líder de facto da Birmânia e Nobel da Paz de 1991, Aung San Suu Kyi, marcado para terça-feira, será a sua “última oportunidade” para pôr fim ao um conflito que, só nas últimas três semanas, já levou mais de 400 mil rohingyas a cruzar a fronteira com o Bangladesh. A recomendação vem do secretário-geral das Nações Unidas que assume que a crise pode tornar-se irreversível. “Se ela [Suu Kyi] não reverter agora a situação, acredito que a tragédia será absolutamente terrível e, infelizmente, não vejo como a mesma poderá ser revertida no futuro”, enfatizou António Guterres, numa entrevista à BBC.

Perseguida há várias décadas na Birmânia – a ONU voltou a denunciar, recentemente, a “limpeza étnica” e os crimes contra a humanidade que estão em curso no país, levados a cabo pelo exército birmanês – a minoria muçulmana rohingya viu-se novamente apanhada pela guerra quando, no final do mês de agosto, os combatentes rebeldes do Exército de Salvação dos Rohingya de Arracão (ARSA, na sigla em inglês), atacaram diversas instalações policiais e mataram 12 agentes, no estado de Rakhine.

Sob o pretexto de estarem a lutar contra os “terroristas” do ARSA, as forças militares birmanesas iniciaram uma retaliação brutal contra a população civil rohingya, cuja estratégia  inclui a destruição de aldeias inteiras, deportações em massa e até a instalação de minas terrestres na fronteira com o Bangladesh.

No passado sábado, o general birmanês Min Aung Hlaing usou a rede social Facebook para afirmar que os rohingya “nunca foram um grupo étnico no Myanmar” e acusou-os de quererem estabelecer um bastião em Rakhine. Já um porta-voz do governo veio garantir que não serão autorizados quaisquer  regressos dos refugiados às suas casas.

Embora tenha reconhecido que é o exército que controla grande parte do poder político na Birmânia, Guterres acredita que o fim do conflito passa muito pela mensagem que Suu Kyi e transmitir à nação (e ao mundo) na próxima terça-feira. A Nobel da Paz, recorde-se, recusou marcar presença na Assembleia Geral das ONU, esta semana, em Nova Iorque, tendo justificado a ausência com os “assuntos domésticos que precisam de atenção”, pelo que as expetativas em volta das suas palavras são elevadas.

1
1