expresso.sapo.ptexpresso.sapo.pt - 17 set 15:30

Amor à primeira vista

Amor à primeira vista

Fino, leve e com uma qualidade de construção que sussurra premium da cabeça aos pés, este ZenBook 3 merece, de facto, o epíteto Deluxe. Mas há pequenos detalhes a corrigir para a Asus conseguir roçar a perfeição

Ao longo dos anos, habituámo-nos a olhar com relativa desconfiança para os exageros linguísticos com que o marketing de algumas empresas nos brinda. Foi essa a nossa primeira reação quando nos deparámos com o termo Deluxe do smartphone Zenfone 3 da Asus, mas a verdade é que acabámos rendidos à qualidade de topo de gama do terminal. E o mesmo acontece com a versão Deluxe do ZenBook 3 – há um inegável apelo premium que nos cativa logo pelo olhar e pelo toque. Sim, o design e qualidade de construção são realmente dignos do epíteto “de luxo”! Com 12,9 mm de espessura e 1,1 kg de peso, este ultraportátil não irá castigar os braços ou costas dos utilizadores que precisam de transportar constantemente o computador. Aliás, a Asus até oferece uma elegante bolsa de transporte para ajudar nas deslocações.

Se a ergonomia é uma característica que promete conquistar todos os utilizadores, as opções cromáticas da Asus são mais discutíveis, já que a conjugação do azul com dourado pode não ser consensual. No nosso caso, gostámos da escolha: é arrojada e serve como fator diferenciador. O chassis de alumínio é criado a partir de um único bloco de metal que o fabricante diz passar depois por um processo de 40 passos para criar o acabamento concêntrico que podemos ver na tampa, sendo que os cantos com corte de diamante passa por um processo de anodização com duas fases. Se acha todas estas palavras demasiado complicadas, sintetizamos a ideia numa única frase: é um dos portáteis mais bonitos que alguma vez testámos (com toda a carga de subjetividade inerente a esta afirmação).

d.r.

Outro aspeto que nos conquistou foi o teclado retroiluminado, que é de tamanho integral e dispõe de um curso das teclas de 1,2 mm. Isto significa que escrever se revelou uma tarefa muito confortável, já que as teclas têm um tamanho generoso. O touchpad também se mostrou fiável, com a cobertura de vidro a permitir um controlo suave, sendo que ele incorpora igualmente um sensor biométrico.

Contudo, quem tem o hábito de escrever (ou realizar qualquer outra tarefa de produtividade) com o portátil no colo terá de enfrentar alguns problemas com este ZenBook. A Asus refere que criou um sistema de arrefecimento novo para o Deluxe, que inclui um rotor da ventoinha em polímero de cristais líquidos com 0,3 mm de espessura e um dissipador em liga de cobre com paredes com 0,1 mm de espessura – no total, o sistema térmico tem 3 mm de altura – e que o ar quente é expelido através dos orifícios de ventilação escondidos na dobradiça. Contudo, a nossa experiência de utilização mostrou que a base aquece demasiado e que a dissipação faz demasiado ruído quando aumentamos o grau de exigência das tarefas. Por exemplo, uma sessão de vídeos no YouTube mais longa pode acabar por tornar-se incómoda para quem tem o portátil pousado nas pernas.

Hardware de topo

d.r.

Já que estamos a falar de vídeo, há que destacar o bom trabalho feito pela Asus no ecrã. Para começar, conseguiu colocar um ecrã de 14” num chassis de 13” (um pouco como a Dell faz com os XPS) e reforçou a resistência a riscos e arranhões ao cobri-lo com uma camada de Corning Gorilla Glass 5. A moldura é reduzida – a relação ecrã/corpo é de 84% – e a resolução é Full HD. Somando tudo isto, ficamos com uma experiência de visualização bem conseguida.

A performance do ZenBook 3 Deluxe está acima da média, como pudemos comprovar pelos resultados dos benchmarks e como o hardware que incorpora este PC já deixava antever. Se tivermos em conta que o ultraportátil conta com um processador Core i7 de 7ª geração, 16 GB de RAM e um SSD de GB, é fácil perceber que é uma máquina muito bem equipada para lidar com tarefas de produtividade – e estes componentes de topo também ajudam a perceber o porquê do preço de €1800… Saliente-se que a autonomia peca por escassa, embora esta máquina disponha de tecnologia de carregamento rápido.

Uma nota final para a conectividade: enquanto, por exemplo, a Microsoft opta por não incluir portas USB Tipo C no recente Laptop, a Asus segue o caminho oposto e aposta exclusivamente neste tipo de portas. Aliás, duas delas são Thunderbolt 3, o que significa que podem chegar a velocidades de transferência até 40 Gbps, servir para ligar dois ecrãs 4K UHD externos ou funcionarem como suporte para docas gráficas externas. Como o USB Tipo C ainda não é ubíquo, poderá perguntar (e bem): então e se quiser uma USB “tradicional”? A Asus pensou nisso e oferece dois adaptadores com o Deluxe – um USB-C para USB-A e também um USB-C para HDMI.

1
1