www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 17 set 15:00

As mensagens que 13 empresas do PSI-20 estão a passar aos investidores

As mensagens que 13 empresas do PSI-20 estão a passar aos investidores

O CaixaBank BPI juntou empresas com potenciais investidores para as cotadas apresentarem as suas perspectivas de negócio. Conheça as mensagens que 13 cotadas nacionais transmitiram aos investidores.
Altri aproveita subida dos preços da pasta. A Altri teve dez reuniões com 28 investidores. A mensagem transmitida pela empresa, segundo um relatório do BPI a que o Negócios teve acesso, foi de uma perspectiva positiva para a evolução dos preços da pasta de papel. A Altri conseguiu implementar as subidas dos preços e planeia fazer um novo aumento no curto prazo. Já os projectos de investimento estão a evoluir como o planeado e poderão representar um acréscimo do EBITDA de entre 20 milhões a 25 milhões de euros. No entanto, a empresa estima um impacto negativo de cerca de dois milhões de euros na rentabilidade devido aos incêndios que assolaram o país. A análise do CaixaBank BPI à informação avançada pela Altri é que o "principal ponto positivo é a perspectiva de curto prazo para os preços da pasta de papel". Mas realçam que, dada a evolução do dólar, os preços podem estar perto de atingir o pico. Atribuem uma recomendação de "underperform" à Altri com um preço-alvo de 4,60 euros. BCP prevê melhoria na qualidade dos activos O BCP esteve presente em 12 reuniões com 26 investidores. E a mensagem transmitida pelos responsáveis do banco foi que estavam confortáveis com a actual posição de capital. Já em relação à qualidade dos activos, o banco referiu que se comprometeu com o Banco de Portugal numa redução da exposição a activos não rentáveis a um ritmo médio de 1.000 milhões de euros por ano, através da venda de algumas dessas exposições ou recuperação de valor de outras. Só no primeiro semestre, a redução foi de 700 milhões de euros, segundo o CaixaBank BPI. Já do lado da concessão de crédito, o BCP não prevê um aumento nos próximos anos porque a economia ainda está a desalavancar. Ainda assim, prevê uma subida da margem financeira, apoiada por custos de financiamento mais baixos. O CaixaBank BPI tem a recomendação do BCP sob revisão. Dólar afecta Corticeira Amorim A Corticeira Amorim mostrou-se cautelosa sobre a evolução das margens no curto prazo devido ao preço mais alto da matéria-prima, à integração da Bourrassé e devido ao impacto cambial. Apesar destes factores, a empresa reiterou os objectivos para as vendas e para o EBITDA até 2020. Ainda assim, o CaixaBank BPI admite "cortar as estimativas para incorporar os custos mais altos do que o esperado da matéria-prima e a continuação da fraqueza do dólar face ao euro". Banco CTT poupa na abertura de balcões Os CTT indicaram que a atracção de recursos no banco tem excedido as expectativas iniciais, nomeadamente nas contas à ordem. Esse factor, a par com o encerramento de agências de outros bancos, tem levado a empresa a adoptar um ritmo mais lento do que o previsto na abertura de novos balcões, o que tem permitido poupanças face ao previsto no plano inicial para o banco. A empresa não descarta comprar carteiras de crédito, mas numa dimensão que se coadune com a dimensão dos CTT. Já as indicações para o EBITDA no segundo semestre foram reiteradas. Os analistas do banco atribuem um preço-alvo de 6,50 euros com recomendação de "comprar". EDP sem grandes mudanças nos CMEC A EDP não deu novidades aos investidores sobre as investigações judiciais sobre suspeitas de corrupção nos contratos dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), segundo o CaixaBank BPI. Os responsáveis da eléctrica indicaram que a gestão não foi alvo de novas abordagens pelas autoridades em relação a essa matéria. Já em relação aos ajustamentos dos CMEC para os próximos dez anos, a empresa indicou que ainda não foram tomadas decisões, mas prevê que não sofram alterações muito significativas. Já em relação à EDP Renováveis, reiterou que a actual situação se deverá manter no médio prazo, depois de a EDP não ter conseguido mais de 90% da eólica na OPA. O preço-alvo é de 3,70 euros com análise "neutral". Crise no Brasil sem impacto na Galp A Galp indicou que a taxa de execução dos projectos de extracção no Brasil não foi afectada pela situação política. Além disso, a regulação no país é mais favorável, com a participação mínima que a Petrobras tem de ter nos projectos de exploração a baixar. No segmento de refinação, a petrolífera indicou que iniciou no ano passado um sistema para melhorar a eficiência e que pode gerar uma margem adicional de um dólar por barril. O preço-alvo é de 15,10 euros com recomendação de "neutral". Jerónimo Martins com desafio na Colômbia A Jerónimo Martins reconheceu que a expansão de superfícies comerciais no formato de proximidade na Colômbia a levou a acelerar o investimento em infra-estruturas e que a economia desse país tem evoluído abaixo das expectativas. Já em relação às margens, prevê uma estabilização na Polónia. Para Portugal, a perspectiva é semelhante com a melhoria logística a compensar o ambiente de forte concorrência. Os analistas do CaixaBank BPI consideram que a mensagem passada pela Jerónimo Martins é neutral, mas salientam que o ambiente concorrencial na Colômbia continue a impedir que este mercado se traduza num factor positivo para as acções. Mota-Engil optimista com África e Portugal A construtora apresentou perspectivas favoráveis para África e Portugal. No continente africano, a carteira de encomendas atingiu máximos com novos projectos em vários países. Para Portugal, a expectativa é de recuperação, com destaque para os concursos previstos para o novo aeroporto e um novo hospital em Lisboa e as licenças para a construção de novos hotéis na capital e no Porto. A recomendação é de "neutral" e o preço-alvo de três euros. Navigator e a cautela com a nota verde A Navigator passou uma mensagem positiva para a evolução dos preços da pasta e papel e que os volumes de vendas na Europa indiciam algum suporte para os preços. Mas o maior problema nesta fase é a cotação do dólar, que tem descido desde o início do ano. Os novos investimentos da empresa estão a evoluir como o planeado. Em relação aos incêndios florestais, o CaixaBank BPI refere que tiveram um impacto directo limitado. Mas, a nível indirecto, esse impacto é relevante devido à nova legislação que limita a plantação de eucaliptos em Portugal, segundo o CaixaBank BPI. Ainda assim, os analistas do banco consideram que a Navigator tem apresentado um bom momento ao nível dos resultados. O CaixaBank BPI tem um recomendação de "neutral" com um preço-alvo de 4,35 euros. Nos com expectativa de subida do dividendo A Nos poderá ter menores necessidades de investimento nos próximos anos o que, a par com as perspectivas de subida do EBITDA, poderá ajudar a melhorar o valor do dividendo por acção. Segundo o CaixaBank BPI, esse valor poderá mesmo duplicar em três anos sem ter impacto significativo na alavancagem. A empresa liderada por Miguel Almeida considera que o rácio de dívida líquida duas vezes acima do EBITDA é um nível conservador. Em relação à posição no mercado, o "feedback" foi de que a evolução dos preços será favorável apesar de ser difícil manter subidas da dimensão das verificadas em 2017. A Nos também indicou que atingiu a meta de ter um quota de mercado de 30% antes do prazo. Já em relação à compra da Media Capital pela Altice, a Nos está a monitorizar esse processo de perto e antecipa que o regulador tenha de impor remédios significativos para salvaguardar a concorrência. A estratégia da Nos em relação a este ponto está dependente de uma maior clareza de qual será a decisão do regulador. REN dá detalhes sobre EDP Gas e Electrogas O "feedback" em relação às reuniões da REN com investidores incidiram sobretudo sobre o ponto de situação das aquisições da empresa. Em relação à compra da EDP Gas, foi salientado, segundo o CaixaBank BPI, que a única autorização que falta, a do Governo, deverá chegar em breve. E que, depois disso, levará cerca de um mês para realizar o aumento de capital, que poderá ocorrer em Outubro. Já em relação à compra de 42,5% da chilena Electrogas, a mensagem foi positiva, dizendo que tudo está a correr como planeado. Após a integração destas aquisições, a prioridade da empresa será gerir estes investimentos e estabilizar os fluxos de caixa. Sonae entre a subida do PIB e a concorrência A Sonae indicou que a guerra das promoções no retalho alimentar tem-se intensificado nos últimos meses mas, ainda assim, continua a prever uma subida das vendas. Já no retalho não alimentar, a recuperação da economia deverá dar um impulso às receitas. No caso do segmento de electrónica, por exemplo, as vendas já atingiram 1.000 milhões de euros este ano. Apesar da pressão concorrencial, os analistas do CaixaBank BPI antecipam que esse impacto seja limitado. E mantiveram a Sonae na lista das suas acções preferidas na Península Ibérica, que foi actualizada esta semana. É a única portuguesa nessa lista. Consideram que a acção está barata. Sonae Capital focada na venda de activos No "feedback" das reuniões da Sonae Capital com investidores, a mensagem foi de que a venda de activos imobiliários deverá continuar, já que existem potenciais interessados em terrenos no Tróia Resort e noutros empreendimentos. E parte das receitas obtidas com essas vendas poderá ser utilizada para remunerar os accionistas, segundo as indicações deixadas pelo CaixaBank BPI. A empresa salientou que a área de "fitness" é cada vez mais atractiva em termos de crescimento e de oportunidades de aquisição. A Sonae Capital está também interessada em gerir, através de parcerias, hotéis em Lisboa e no Porto. pub

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Neg��cios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 

pub
1
1