www.dn.ptdn.pt - 16 set 22:44

Arménio Carlos - Subida do rating? Era ″inevitável″

Arménio Carlos - Subida do rating? Era ″inevitável″

Arménio Carlos considera positiva a evolução da economia portuguesa

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considerou hoje que face à evolução positiva da economia portuguesa, era "inevitável" a melhoria do 'rating' atribuído à República Portuguesa pelas agências de notação financeira.

"Creio que esta era uma situação inevitável que teria que ser reconhecida, muito embora nós continuemos a pensar que as agências de 'rating' não funcionam de acordo com as perspetivas reais de desenvolvimento dos países, mas pelo contrário, continuam a funcionar de acordo com objetivos especulativos e outros que lhes estão associados", afirmou à Lusa o dirigente sindical.

Mais importante do que este reconhecimento desta agência internacional é a necessidade de colocar a economia ao serviço dos trabalhadores, do povo e do desenvolvimento do país

Na sua opinião, "o Orçamento do Estado não pode deixar de olhar para as pessoas, para os trabalhadores e para as populações. E, acima de tudo, melhorar a qualidade dos serviços públicos e também as perspetivas de desenvolvimento do país de uma forma sustentada, contrariando esta linha que se vem acentuando ao longo dos anos de desertificação e de assimetrias do interior relativamente ao litoral".

Somos todos portugueses e todos temos que ser tratados como tal. Portanto, é preciso dar maior coesão económica, social e também territorial ao país

Questionado sobre quem é que tem mais mérito na recuperação económica que permitiu a melhoria do 'rating' de Portugal, se o executivo socialista ou o anterior Governo PSD/CDS, Arménio Carlos preferiu apontar para o esforço dos trabalhadores.

"O grande mérito da evolução da situação económica em Portugal é dos trabalhadores e do povo português. Porque foram eles os grandes sacrificados ao longo dos últimos anos e foram eles que ao longo de todo este tempo com o seu trabalho, com a sua dedicação e com o seu sentido de dever para com o país construíram, numa situação muito difícil, as soluções para que se pudesse neste momento ter um crescimento económico que é do conhecimento de todos", assinalou.

"Agora, isso só por si não chega. É preciso que o crescimento económico esteja associado ao desenvolvimento económico. E que esta riqueza que está a ser criada seja mais bem distribuída", destacou o líder da CGTP, apelando a um "aumento geral dos salários, mas também a melhoria das pensões de reforma e de outros apoios, nomeadamente, aos desempregados".

As previsões da economia a crescer 2% em média até 2020, um défice de 1,5% este ano e menos riscos no acesso ao financiamento levaram a agência de notação financeira S&P a tirar Portugal do 'lixo', uma decisão que foi anunciada na sexta-feira.

1
1