desporto.sapo.ptdesporto.sapo.pt - 13 ago 14:58

Volta a Portugal: José Gonçalves quer ver o irmão Domingos ganhar uma etapa

Volta a Portugal: José Gonçalves quer ver o irmão Domingos ganhar uma etapa

Ciclista da Katusha Alpecin elogiou o bom início do irmão, que foi segundo no prólogo e andou nos lugares cimeiros da geral nos primeiros dias

José Gonçalves (Katusha Alpecin) reconheceu hoje que espera ver o seu irmão Domingos vencer uma etapa na 79.ª Volta a Portugal, considerando que a prova está ser bem disputada.

“Hoje vamos ver como vai correr a corrida. Espero que saia bem para a RP-Boavista e, sobretudo, ao meu irmão. Vou-lhe dar alguns conselhos para ver se ele, até ao fim da Volta, nos dá uma alegria”, disse hoje o mais conhecido dos gémeos Gonçalves, à partida para a oitava etapa, em Gondomar.

José Gonçalves elogiou o bom início do irmão, que foi segundo no prólogo e andou nos lugares cimeiros da geral nos primeiros dias, mas lembrou que é difícil estar na discussão da corrida.

“Eu, antes da Volta, disse-lhe: “’Mingos’, tu mentaliza-te e ganha uma etapa e é o suficiente, não precisas de fazer mais nada”, acrescentou, assumindo que também quer ver o amigo João Matias (LA Alumínios-Metalusa-Blackjack) vencer a classificação da montanha: “Gostava mesmo que ele conseguisse segurá-la até ao último dia, já faltam poucos dias, ele está na primeira posição, tem alguns pontos de vantagem. Agora é lutar”.

No dia em que a Volta a Portugal chega a Oliveira de Azeméis, onde cortou a meta em primeiro lugar em 2015, antes de ser desclassificado, o corredor da Katusha Alpecin revelou que tinha de marcar presença na prova rainha do calendário nacional, porque “há sempre aquele bichinho de querer estar aqui, a conviver com as pessoas”.

“Tenho acompanhado algumas etapas. Acho que está a ser uma boa Volta a Portugal, bem disputada. Temos equipas que estão muito fortes e outras que têm um ou dois líderes e estão a tentar dar o máximo para contrariar a W52-FC Porto. Estou a gostar de ver”, afirmou.

Prestes a rumar a Espanha, onde a partir de sábado vai disputar a Vuelta, José Gonçalves referiu que, este ano, não é provável que ande quase todos os dias em fuga, como aconteceu em 2015, quando foi segundo numa tirada, terceiro noutra e quinto em duas outras.

“Estarei lá para apoiar o Zakarin o máximo possível, como fiz no Giro e, se depois, claro, se surgir alguma oportunidade de tentar a minha sorte numa ou outra etapa... Também é o meu objetivo pessoal tentar fazer algo. Vencer é difícil, mas vou tentar”, concluiu.

1
1