www.jn.ptJosé Manuel Diogo* - 13 ago 00:00

Pesadelo de uma tarde de verão

Pesadelo de uma tarde de verão

Napoleão, Samora Machel, D. João VI, Donald Trump, Nicolas Maduro e Isaltino Morais aparecem-me em sonhos durante uma sesta de praia, ao fim de tarde, em Tróia. Devo ter dormido aí meia hora, mas pareceu-me uma eternidade.

O sonho começava no meio de uma velha anedota que se contava no tempo dos retornados das Colónias. Num palanque improvisado, ladeado por antigos combatentes, agora ministros e heróis nacionais, o líder de Moçambique, Samora Machel, empolgava-se num discurso vibrante, exaltando o futuro do seu jovem país.

- Se a Inglaterra conquistou o mar, nós conquistamos a Terra; e a plateia aplaude esfusiante.

- Se a Rússia conquistou o Espaço, nós conquistamos a Lua; e a multidão anima-se ainda mais...,

- Se a América conquistou a Lua, nós conquistamos o Sol.

Então, ao seu lado um jovem tenente encarregado de supervisionar a retórica do líder, uma espécie de assessor de imprensa na savana, diz-lhe ao ouvido, "Chefe, ao Sol não, que é muito quente". Mas logo de imediato, Samora lhe responde.

- Não faz mal, vamos de noite.

Volto-me na toalha e ao lado de Samora vejo Donald Trump, vestido de Napoleão, mais despenteado do que é normal a abrir a mala dos códigos nucleares às escondidas numa salinha oval. Em menos de 48 horas promete guerra à Coreia do Norte, à Venezuela e ao seu ex-diretor de campanha, Monsieur Manafort, por ter negociado com russos sem ele saber.

Então entra em cena Nicolas Maduro com a bandeira de Portugal numa mão e uma vassoura na outra. Promete, em direto na TV, varrer mais 500 mil portugueses de Caracas para Lisboa num único charter da TAP.

Sinto-me a suar frio, mas o sonho ainda consegue piorar. Um desses portugueses é Isaltino de Morais. Vestido de D. João VI, dá conferência de imprensa, no Palácio da Ajuda. Acusa Nicolas Maduro de ser padrinho de casamento de Napoleão. Na última fila, de mão dada, Paulo Vistas e o Juiz Afilhado fazem barulho a beber por palhinhas do mesmo copo-de-água.

Trump não consegue resistir à tentação e carrega no botão. Mísseis correm em todas as direções. Parecem golfinhos no Sado. Há um que é mais pequenino e vem acompanhado da mãe e da tia. Um pai de santo faz macumba ao cimo das escadas de uma capela dentro de uma gruta na serra da Arrábida.

Acordo sobressaltado. Há um homem a dormir comigo na toalha.

- Socorro! Grito.

Só se deve dormir à noite.

*ESPECIALISTA EM MEDIA INTELLIGENCE

1
1