Cidália, Hugo e José podiam ser apenas mais três nomes numa lista de desempregados de longa duração ou de emigrantes, anónimos mesmo que nomeados a recomeçar a partir do quase nada. A sorte podia ter-lhes sido madrasta e condená-los às estatísticas mais negras. Podia, não fossem eles ter feito finca-pé a resignar-se ao destino a que tantos outros não conseguiram escapar e decidido reinventar-se. A determinação é o que os distingue e torna a sua história importante de contar - mesmo para inspirar outros. Seja como for, Cidália, Hugo e José estão noutra lista, aquela que mostra que com trabalho, teimosia e espírito de sacrifício é possível construir alguma coisa quando tudo nos puxa para baixo. Vendo-se em Portugal com ideias e sem emprego, decidiram arregaçar as mangas, planificar a sua vida e criar uma nova carreira. A mudança não foi em vão. As empresas que nasceram das suas mãos em momentos difíceis, tendo à frente pessoas com cabeça e estratégia, transformaram-se em poucos anos em negócios rentáveis e que estão a pontos de expandir-se mesmo para fora de Portugal.