www.publico.ptpublico.pt - 18 jul 13:56

Direcção-Geral da Saúde quer hospitais preparados para alterações climáticas

Direcção-Geral da Saúde quer hospitais preparados para alterações climáticas

Estudo sobre onda de calor de 2003 concluiu que ar condicionado nos hospitais pode reduzir em 40% o risco de morrer em doentes mais idosos, lembra director-geral da Saúde.

Em pleno Verão, o director-geral da Saúde e o presidente do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) alertaram os hospitais, centros de saúde e unidades de cuidados continuados para a necessidade de se prepararem de "forma adequada" para as situações de temperaturas extremas.

Dada a sua localização geográfica, Portugal é "um dos países mais vulneráveis às alterações climáticas e à ocorrência de fenómenos climáticos extremos", frisam Francisco George e Fernando Almeida numa orientação conjunta divulgada no final da semana passada.

Recordam, a propósito, um estudo que avaliou o impacto da onda de calor de 2003 na mortalidade em Portugal e que concluiu, cinco anos depois, que o excesso de óbitos então verificado estava “fortemente associado” às temperaturas extremas. Verificou-se nessa altura que a instalação de ar condicionado em serviços hospitalares melhorava a sobrevivência, “sendo este facto mais evidente nos doentes com idade igual ou superior a 45 anos, nos quais se observou uma redução em 40% do risco de morrer”, destacam.

Salas climatizadas para acolher os doentes

No documento agora dirigido a todos os estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde, frisam que os estabelecimentos, sobretudo os que têm internamento, devem estar preparados para uma resposta adequada tendo em conta as temperaturas extremas e as alterações climáticas. Como? Promovendo a “instalação de equipamentos de climatização, sempre que necessário” nos espaços de observação, internamento e salas de espera, a sua manutenção para minimizar as avarias, a reparação atempada das avarias e a disponibilização de salas climatizadas para acolher os doentes em caso de calor ou frio intenso.

Por que que motivo os dois responsáveis divulgam esta orientação nesta altura, tendo em conta que o plano de contingência para o Verão está em vigor desde 1 de Maio e já recomenda especificamente a manutenção preventiva dos sistemas de ventilação e ar condicionado, além da disponibilização de salas climatizadas para acolher os doentes?

Sem querer discutir a "oportunidade" de chamar a atenção para esta questão agora, Francisco George disse ao PÚBLICO que se "constatou que é preciso que não falhe nada". Este documento, notou, visa recordar as medidas recomendadas no plano de contingência (actualizado em Março num despacho do Ministério da Saúde).

O que Francisco George e Fernando Almeida enfatizam também na orientação é que a preocupação com as alterações climáticas se acentua numa altura em que aumenta o envelhecimento da população e a prevalência das doenças crónicas em Portugal.

Para além das medidas que visam garantir que as temperaturas extremas não têm efeitos negativos no estado de saúde da população, "importa igualmente promover a adaptação às alterações climáticas nas políticas do sector Saúde, no âmbito da Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas", incluindo a "adopção de medidas que minimizem futuros impactes negativos, nomeadamente relacionados com eventos meteorológicos extremos", acrescentam.

As especificações técnicas em matéria de climatização, frisam ainda, podem ser consultadas no sítio da internet da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

As ondas de calor são fenómenos cada vez mais frequentes, sobretudo desde a década de 90 do século passado. Em Portugal, em apenas uma década foram registadas quatro ondas de calor de grande intensidade (2003, 2006, 2010, 2013), mas a de 2003 destaca-se. Nesse ano, entre Julho e Agosto uma onda de calor que atingiu vários países da Europa ficou associada a quase duas mil mortes acima do esperado em Portugal. 

As ondas de calor são definidas pela Organização Mundial de Saúde como períodos de seis dias consecutivos com temperaturas máximas diárias superiores a 5ºC ao valor médio diário para essa época do ano.

1
1